segunda-feira, 12 de janeiro de 2009

Slumdog, coleccionador de prémios


Ontem (hoje de madrugada), o mais recente filme do psicadélico realizador inglês de Manchester, de 52 anos, Danny Boyle juntou mais 4 à lista de 23 prémios que já havia arrecadado em cerimónias de distinção de filmes estreados durante o ano de 2008.
Com efeito, Slumdog Millionaire foi o grande vencedor da 66.ª edição dos Globos de Ouro, vencendo em todas as categorias para que estava nomeado, evento organizado pela Associação de Imprensa Estrangeira radicada em Hollywood (Hollywood Foreign Press Association), deixando em branco três filmes com 5 nomeações como O Estranho Caso de Benjamin Button (The Curious Case of Benjamin Button, de David Fincher), Dúvida (Doubt, de John Patrick Shanley), Frost/Nixon (de Ron Howard), assim como os dois filmes a concurso de Clint Eastwood, Gran Torino (1 nomeação) e A Troca (Changeling, 2 nomeações), ou o até agora incensado Milk de Gus Van Sant, que concorria com Sean Penn à categoria de “Melhor Actor – Drama”.
Eis os vencedores, com destaque para o previsível prémio a título póstumo a Heath Ledger, e à imprevisível dupla vitória da bem nutrida Kate Winslet:

Slumdog Millionaire (4 Globos de Ouro / 4 nomeações)
Argumento – Simon Beaufoy
Banda Sonora Original – A. R. Rahman
Filme
Realizador – Danny Boyle


The Wrestler (2 Globos de Ouro / 3 nomeações)
Actor – Mickey Rourke
Canção – Bruce Springsteen, “The Wrestler”
(nota: filme realizado por Darren Aronofsky)

O Cavaleiro das Trevas / The Dark Knight (1 Globo de Ouro / 1 nomeação)
Actor Secundário – Heath Ledger
(nota: filme realizado por Christopher Nolan)

Em Bruges / In Bruges (1 Globo de Ouro / 3 nomeações)
Actor (musical ou comédia) – Colin Farrell
(nota: filme realizado por Martin McDonagh)


The Reader (1 Globo de Ouro / 4 nomeações)
Actriz Secundária – Kate Winslet
(nota: filme realizado por Stephen Daldry)

Revolutionary Road (1 Globo de Ouro / 4 nomeações)
Actriz – Kate Winslet
(nota: filme realizado por Sam Mendes)

Um Dia de Cada Vez / Happy-Go-Lucky (1 Globo de Ouro / 2 nomeações)
Actriz (musical ou comédia) – Sally Hawkins
(nota: filme realizado por Mike Leigh)

Vicky Cristina Barcelona (1 Globo de Ouro / 4 nomeações)
Filme (musical ou comédia)
(nota: filme realizado por Woody Allen)

Outros:

A Valsa com Bashir / Vals Im Bashir (1 Globo de Ouro / 1 nomeação)
Filme Estrangeiro
(nota: filme realizado por Ari Folman)

Wall-E (1 Globo de Ouro / 2 nomeações)
Filme de Animação
(nota: filme realizado por Andrew Stanton)

-------------------

Notas:

  • Outros vencedores da noite: a minissérie John Adams venceu 4 Globos de Ouro; a série cómica 30 Rock foi galardoada com 3 Globos de Ouro; e pelo 2.º ano consecutivo Hugh Laurie, no papel do fabuloso médico misantropo (e mis-muitas-coisas) House, perde o Globo de Ouro na categoria “Melhor Actor em Séries de Televisão”, este ano para o meu mui estimado actor irlandês Gabriel Byrne, protagonista da série In Treatment – a medicina interna vencida pela medicina do interior… (rogo-vos, suplico-vos, de forma dramática, de joelhos e usando cilício (se necessário for), por perdão pelo mau gosto do trocadilho);
  • Mais um ano em que os actores originários do Cinema continuam a arrecadar os principais prémios de Televisão: para além do mencionado Gabriel Byrne, e com a honrosa excepção de Tina Faye, tivemos Alec Baldwin, Anna Paquin, Laura Dern, Laura Linney, Paul Giamatti e Tom Wilkinson.
  • Mais uma vez, uma noite sem glamour (parente pobre dos Óscares da Academia), com muito ruído de fundo (talheres, copos, risos e vozes, possíveis contratos celebrados pelo álcool e pelas filas de pó branco, e as bisbilhotices e piadas sarcásticas de pé de orelha do costume) e com prémios, a fazer fé, por enquanto, na crítica, que deixaram muito a desejar.
  • Mickey Rourke, apesar de aparentar continuar transformado num “farrapo humano”, consumido pelas drogas e pelo álcool, conseguiu, embora de forma entrecortada e tartamudeada, sem que aquelas cabeças, normalmente produtoras de eco em eventos destes, se houvessem apercebido, proferir o discurso mais emotivo-dramático da noite, ao falar da sua ruína nos últimos anos, da eterna gratidão pela pessoa que o retirou do poço e da solidão, da profunda solidão que o assalta no momento.
  • Ver aqui a notícia em português, com a listagem completa dos vencedores.

2 comentários:

João Gaspar disse...

o rourke a agradecer aos cães foi o discurso mais sentido da noite.

AMC disse...

O que dá para ver o estado daquele homem. Uma pena... e emotivo sim, porque ainda percebido e aparentemente manietado por forças que ele julga não poder superar e bastante sofrido, isolado... um homem só.