sábado, 2 de dezembro de 2006

Exórdio (à laia de aclaração)

In absentia - na ausência


Há precisamente setenta dias dei por terminada a minha curta, porém vivificante, actividade na blogosfera. Tal como mencionei naquele difícil dia de Setembro, outros assuntos necessitavam de uma maior dedicação da minha parte que a actividade blogueira me ia solícita e silenciosamente surripiando.
Não há razões que me permitam explicar um vício. Apenas alguns dos seus significados: vontade inusitada; entrega incondicional...
Quando sou confrontado com a pergunta “porque que é que começaste a fumar?”, ainda consigo esboçar uma resposta apelando a um esforço regressivo de vaidoso memorialista. Todavia, à questão “estando tu consciente dos seus malefícios, porque é que continuas a fumar?”, porque… [quid pro quo] “Por que carga de água me fazes essa pergunta idiota?”

Ausência?

  • Sophia!
  • Setenta dias.
  • Período de tempo (embora curto, possivelmente até à Epifania) no qual exorcizarei com auxílio da bloga os fantasmas que teimam ensombrar o período natalício pela falta que tu me fazes...*
  • A contrario sensu: não, não se trata de um Diário sobre a Tua...



*Leia-se isto.

6 comentários:

roteia disse...

Afinal presença, André, da qual já havia saudade. Saúdo este regresso, que boa surpresa!

pedro vieira disse...

mas aqui trata-se de um regresso ou quê? já fazias demasiada falta, páww

Sérgio disse...

Bem-vindo de volta ao saudável vício!

jpt disse...

conheço o género. bem-revindo...

Mónica (em Campanhã) disse...

feliz!

amc disse...

Meus caros amigos e companheiros da bloga,
Obrigado pelas felicitações de regresso.
Roteia, apesar da ausência o Ultraperiférico continuava a ser diligentemente visitado numa base diária de forma anónima (através dos favoritos do browser). A forma brilhante, apaixonada e desinteressada com que é abordada a cultura no Ultraperiférico, sempre mereceu da minha parte uma admiração incondicional.
Pedro, tens-me novamente à perna ao estilo de Red(s) Patrol. O teu sítio profissional está simplesmente excepcional. Ao nível das tuas imensas qualidades artísticas. Podes crer que disso nunca duvidei. Andei que tempos para te enviar um e-mail todo lamechas para te felicitar. E pronto, faço-o aqui e agora.
Sérgio, já posso ler os teus textos (sempre pertinentes e muitíssimo bem escritos, como já te disse por diversas vezes) e comentá-los sem a necessidade de te empanturrar com e-mails. O problema do vício foi respigado ao JPT.
José (JPT), isto realmente é um vício inexpugnável. Se antes já o conseguia entender (aquando do encerramento do Ma-Schamba), hoje entendo-o ainda melhor. Acredite que, apesar da nossa ancestral troca de mimos futebolísticos, é para mim uma honra tê-lo por leitor pelas qualidades humanas e discursivas (no bom sentido da palavra, claro) que sempre lhe reconheci.
Mónica, lá voltaremos às nossas deliciosas tertúlias literárias.
Um abraço a todos,
AMC