sábado, 17 de dezembro de 2005

Porque escrevo

Para soltar a minha raiva;
Para exorcizar os espíritos ocultos que habitam em mim;
Para libertar a ansiedade que sufoca o meu corpo;
Para exprimir os meus desassossegos, dúvidas e tristezas,
Para os poder transformar em momentos de quietude, de certeza e de alegria:
Humanidade, firmeza e júbilo!
Para os poder difundir e gastá-los à tripa forra,
Para não ter de prestar contas:
A uma douta hierarquia,
Ao Estado,
À pátria,
Ao mundo…
A Deus!
Bastar-me-á um leitor:
Porque escrevo e assim quero resistir!

1 comentário:

a.leitao disse...

"Porque escrevo"

"Para soltar a minha raiva"

A raiva "encalhada" dá sempre mau resultado.

Escrever soltando a raiva é uma forma civilizada. Só lê quem quer.

Para quem não foi fadado com o dom da escrita tem que se sujeitar a dar uns "murros" na "mesa" largar uns impropérios ao vento.

Também dá resultado mas é menos civilizado!