domingo, 18 de dezembro de 2005

A cultura da vacuidade, agravada por sintomas de nepotismo

Hoje, recebi por correio electrónico um texto do Nuno Markl que se referia à neófita Pimpinha Jardim nas lides de colunista da nação.
Para os mais curiosos o texto de Markl está publicado no seu blogue, sob o título “DE GUTENBERG A PIMPINHA”.
Ao ver isto e os seus sucedâneos, começo-me a convencer que – de forma quase irreversível – me assemelho mais a um selvagem de Huxley, vagueando – fora da minha reserva – por este complacente país onde todos parecem Gamas menos e Épsilones, ingurgitando, alarvemente, desmesurados gramas de Soma.
No entanto, concordo com FJV quando absolveu o acto eruditamente sacrílego perpetrado por Luana Piovani: demorou 6 meses a ler o livro de Gabriel García Márquez “Cem Anos de Solidão”. Porém, a Luana tudo se perdoa!
E à Pimpinha!? Ou às outras flores que povoam o seu Jardim!?
Que Deus – ou outro por ele – lhes perdoe!

1 comentário:

rute disse...

Por que razão o meu blog aparece depois do "Quando..."? Que raio de ordem alfabética é essa? Bem-vindo!