terça-feira, 27 de dezembro de 2005

21 gramas

Afinal Cavaco tem ALMA!
Então, não é só um razoável economista – abaixo de Cadilhe –, tecnocrata, quase desprovido de emoções – ó indispensável espírito da vida! –, qualidades que, inexoravelmente, lhe desencadeiam um processo de tendência transmutativa para a frialdade de uma múmia?
A osmótica retórica já é uma evidência.
Eis uma ode soarista:

Jerónimo meu gentil, que te partiste
Tão cedo desta corrida, descontente,
Repousa lá no Comité eternamente
E viva eu lá em Belém de Acácia em riste
.

2 comentários:

o-sniper-da-gandra disse...

Estás um verdadeiro poeta!

rute disse...

Sabes que ele agora lê muito! Até depois de amanhã, camarada.