sexta-feira, 4 de agosto de 2006

Frases Iniciais Exemplares – ABR (Introdução)

A revista periódica norte-americana American Book Review publicou, em Fevereiro deste ano*, um artigo de duas páginas com uma listagem das 100 melhores frases iniciais de sempre publicadas em romance, segundo a opinião de vários peritos em assuntos literários.
Aparentemente, poder-se-á tratar de um exercício desnecessário e até revelador de um certo grau de vacuidade literária, uma vez que jamais se poderá avaliar um romance – que por definição é uma prosa narrativa ficcional normalmente de grande extensão, com inúmeras acções, pensamentos e discursos dos personagens que a integram, na qual as idiossincrasias destes últimos são suficientemente elaboradas e desenvolvidas – por uma mera frase de abertura ou sequer dissuasora ou impulsionadora da sua leitura na íntegra.
Todavia – e o emprego do advérbio de modo com que se inicia o parágrafo anterior não foi, de modo algum, irreflectido –, um bom começo funciona usualmente como um bom prenúncio para aquilo que se seguirá.
O editor principal da revista norte-americana, Charles B. Harris, escreveu um curto artigo** explicativo do processo que envolveu a realização da lista. Harris afirma que a publicação da lista “100 best movie quotes” (versão em PDF) pela
American Film Institute (AFI) serviu-lhe de inspiração para a concretização deste projecto. Para o efeito contactou uma série de críticos literários, editores, professores de literatura e escritores para o auxiliarem no processo de construção da lista.
No que diz respeito aos critérios, Harris enfatiza que deu instruções aos mais do que entendidos jurados que pretendia obter uma “listagem não canónica em relação aos gostos e valores literários actuais da nossa cultura”, isto é, não pretendia “as melhores primeiras frases dos melhores romances” mas as 100 melhores de todo o universo dos romances.
Para além disso, cerca de dezasseis jurados escrevem, no mesmo número da revista, sobre os seus desafios, dificuldades e opiniões na elaboração da lista. Através destes artigos, Harris sumariza alguns pormenores e dúvidas pertinentes levantadas pelos ilustres jurados, como por exemplo: há uma parte significativa de obras de ficção de grande relevo que não dispõe de frases iniciais lapidares e de grande impacto, e que, por outro lado, há uma parte muito menos significativa dessas grandes obras que as tem; de seguida, surgiu o problema das epígrafes, dos prólogos, dos poemas de abertura e até das dedicatórias, isto é, em certos romances é difícil de discernir onde se encontram na realidade as primeiras palavras – aqui aplicou-se o critério da sensibilidade e do bom senso literários.

A título de curiosidade, ficam alguns números:

  • 95% das citações escolhidas corresponde a uma única frase;
  • As 100 obras mencionadas repartem-se por quase quatrocentos anos, de 1605 (Cervantes, Dom Quixote) a 2002 (Eugenides, Middlesex): séculos XVII (1), XVIII (2), XIX (9), XX (86) e XXI (2);
  • O autor mais citado foi James Joyce com 3 citações, curiosamente todas provenientes do tríptico Retrato do artista quando jovem, Ulisses e Finnegans Wake;
  • Treze autores dispõem de 2 citações;
  • Estão representados na lista 16 países e 6 línguas (francês, espanhol, russo, alemão, italiano e inglês) – porém a 6.ª mais falada em todo o mundo, a portuguesa, não está representada, a par do mandarim (1.ª), do hindi (2.ª) e do árabe (5.ª).

A partir de hoje irão ser publicadas neste blogue as 100 citações de forma progressiva e não sistemática, uma vez que tentarei fazê-las acompanhar da respectiva tradução oficial portuguesa – o que vai ser complicado, já que, como é óbvio, não disponho das 100 obras citadas e parte delas nem sequer estão traduzidas na nossa língua.
Paralelamente, continuarei a publicar algumas frases iniciais de outras obras de ficção não citadas pela ABR – preferencialmente romances – que considero dignas de registo.
Esta listagem está aberta a todos os bloguistas que queiram participar. Para o efeito, as citações podem ser enviadas para o endereço de correio electrónico deste blogue (ver nos meus detalhes) ou através das caixas de comentários – incluir a referência completa.
Ambas as listas serão publicadas de forma compilada no blogue filial
Data.

Referências
*[Anónimo] (2006), “100 Best First Lines from Novels”, American Book Review, vol.27, n.2, January/February, pp. 4-5.

**Harris, Charles B. (2006), “In the Beginning Was the World: 100 Best First Lines from Novels”, American Book Review, vol.27, n.2, January/February, p. 3.

3 comentários:

Pedro Correia disse...

Não conheço a lista, André, mas certamente integrará as frases de abertura dos "Cem Anos de Solidão", do Garcia Marquez, e d'"O Estrangeiro", do Camus. Fabulosas, inesquecíveis. Havemos de fazer uma lista destas para as obras de autores portugueses.

Pedro Correia disse...

Em relação a romances portugueses, lembro-me do fabuloso arranque da "Alegria Breve", de Vergílio Ferreira: "Enterrei hoje a minha mulher." (cito de memória, não tenho o livro à mão).

amc disse...

Camus e García Marquez constam com essas 2 obras. São as 28.ª e 4.ª classificadas, respectivamente.
Essa frase incial de Vergílio Ferreira é notável. Infelizmente não li a obra. Sou um anglo-saxónico inveterado no que à literatura diz respeito. Portugueses leio Lobo Antunes e alguns dos novos escritores. Até tenho vergonha de o confessar. Porém, a ideia da lista é fabulosa.
Abraço