quarta-feira, 9 de agosto de 2006

As Listas

O Luís Miguel Oliveira, do blogue As Aranhas, alertou, e bem, para o imperdoável esquecimento de algumas das mais geniais frases pela soberana AFI na eleição das 100 melhores frases em argumentos cinematográficos de sempre. O Luís refere-se a John Ford e a Otto Preminger, e muitos outros, decerto, faltarão.
Depois, para que a lista termine em beleza, surge a inevitável citação de “I’m the king of the world” dita por um esganiçado DiCaprio, supostamente enfrentando o frio glaciar do Atlântico Norte, que só se tornou famosa porque o xaroposo James Cameron, numa ousadia de fazer inveja aos marketeers, resolveu berrá-la (é o termo) no Shrine Auditorium quando recebeu o Oscar – apenas ultrapassável na escala do burlesco pelo patético Roberto Benigni em 1999. Aliás, Cameron é indirectamente citado por mais duas vezes com as frases “I’ll be back” do Terminator e “Hasta la vista, baby” do Terminator 2 que surgem nas 37.ª e 76.ª posições, respectivamente.

Para desenjoar – ou talvez não! –, não me poderia esquecer de aqui demonstrar a minha mais sincera admiração pelos programadores das noites de cinema da
2:.
Ontem, foi o magnificente “2001: Odisseia no Espaço” de Kubrick, o paroxismo do perfeccionismo e da harmonia, que começa e acaba ao ritmo da tonitruante abertura (Aurora) de “Assim Falava Zaratustra” de Richard Strauss.
Hoje, mais palavras para quê, Philip Marlowe em “À beira do abismo” (The Big Sleep):





Realizado por Howard Hawks, baseado no romance homónimo de Raymond Chandler, com as interpretações da eterna parelha – até na vida – Humphrey Bogart (Philip Marlowe) e a portentosa, mulher fatal, Lauren Bacall.

Termino como comecei, pelas frases mais marcantes da história do cinema. O argumento de À beira do abismo esteve a cargo de, entre outros, um senhor que se chama apenas e somente William Faulkner… porventura, conhecem-no?

Aqui fica um excerto de um diálogo entre Bogart, interpretando Marlowe, e Bacall interpretando a filha do General Sternwood, de nome Vivian, cujo pai contratou os serviços do detective privado a propósito de um aparente caso de chantagem.
A cena em questão desenrola-se entre a sala de espera e o gabinete de Marlowe, quando este acaba de entrar e vislumbra a resoluta Vivian já sentada à sua espera, depois de uma noite agitada:

Vivian: So you do get up, I was beginning to think you worked in bed like Marcel Proust.
Marlowe: Who's he?
Vivian: You wouldn't know him, a French writer.
Marlowe: Come into my boudoir.

1 comentário:

nomadjf disse...

AFI Is Up for 3 VMA Awards!
Vote for Us!

1. Go to www.mtv.com/ontv/vma/2006
2. Click on Vote Now.
3. Click on Best Rock Video
4. Click on “Vote” on the Screen Shot of Miss Murder
5. Repeat As Many Times As You Want!