quarta-feira, 10 de outubro de 2007

Nobel da Literatura – 2.ª Actualização (Ladbrokes)

Antes de postar a lista actualizada, de acordo com as probabilidades atribuídas pela Ladbrokes, convém relembrar que:

  • Continua em aberto (até às 8 horas da manhã de amanhã), aqui no lado direito, o pequeno inquérito sobre as preferências para vencedor do prémio com base em 11 nomes pré-seleccionados (por enquanto lidera Mailer seguido de Roth);
  • O Nobel da Literatura será anunciado amanhã (dia 11) ao meio-dia, hora de Lisboa.
Top 10 (candidatos ao Nobel – Ladbrokes)

1.º Philip Roth (EUA, 1933) – 7/2
2.º Claudio Magris (Itália, 1939) – 6/1
3.º Haruki Murakami (Japão, 1949) – 7/1
–– Tomas Tranströmer (Suécia, 1931) – 7/1 (Poesia)
5.º Amos Oz (Israel, 1939) – 8/1
–– Joyce Carol Oates (EUA, 1939) – 8/1
–– Les Murray (Austrália, 1938) – 8/1 (Poesia)
8.º Adonis (Síria, 1930; Líbano) – 10/1 (Poesia)
–– Thomas Pynchon (EUA, 1937) – 10/1
10.º Ko Un (Coreia do Sul, 1933) – 14/1 (Poesia)

Entrou para a lista o eterno candidato Thomas Pynchon, saindo o poeta e ensaísta francês Yves Bonnefoy (n. 1923).

4 comentários:

manuel a. domingos disse...

O Hanif Kureishi não teria lugar nesta lista?

Frequência Jovem disse...

Pena que se siga sempre (ou quase sempre) o politicamente correcto,e não únicamente o talento literário...

http://frequenciajovem.blogspot.com

Luís Costa disse...

Transtömer merece, mais do que ninguém, quanto a mim, receber o Prémio Nobel.
O segundo favorito seria para mim o sírio Adonis, grande peota e igualmente grande ensaista.
Penso que está na hora de os poetas voltarem a Estocolmo.

E já agora deixo dois poemas de Tranströmer traduzidos por mim:

*************

Lisboa

No bairro de Alfama os eléctricos amarelos cantavam nas
Subidas.
Havia duas prisões. Uma delas era para os gatunos.
Eles acenavam através das grades.
Eles gritavam. Eles queriam ser fotografados!

"Mas aqui", dizia o revisor e ria baixinho como um afectado
"aqui sentam-se os políticos". Eu vi a fachada, a fachada, a fachada
e em cima, a uma janela, um homem,
com um binóculo à frente dos olhos, espreitando
para além do mar.

A roupa pendia no azul. Os muros estavam quentes.
As moscas liam cartas microscópicas.
Seis anos depois, peguntei a uma dama de Lisboa:
Isto é real, ou fui eu que sonhei ?


***************
FUNCHAL

O restaurante do peixe na praia, uma simples barraca, construída por náufragos.

Muitos, chegados à porta, voltam para trás, mas não assim as rajadas de vento do mar. Uma sombra encontra-se num cubículo fumarento e assa dois peixes, segundo uma antiga receita da Atlântida, pequenas explosões de alho.

O óleo flui sobre as rodelas do tomate. Cada dentada diz que o oceano nos quer bem, um zunido das profundezas.

Ela e eu: olhamos um para o outro. Assim como se trepássemos as agrestes colinas floridas, sem qualquer cansaço. Encontramo-nos do lado dos animais, bem-vindos, não envelhecemos. Mas já suportámos tantas coisas juntos, lembramo-nos disso, horas em que também de pouco ou nada servíamos ( por exemplo, quando esperávamos na bicha para doar o sangue saudável – ele tinha prescrito uma transfusão). Acontecimentos, que nos podiam ter separado, se não nos tivéssemos unido, e acontecimentos que, lado a lado, esquecemos – mas eles não nos esqueceram!

Eles tornaram-se pedras, pedras claras e escuras, pedras de um mosaico desordenado.

E agora aconteceu: os cacos voam todos na mesma direcção, o mosaico nasce.

Ele espera por nós. Do cimo da parede, ele ilumina o quarto de hotel, um design, violento e doce, talvez um rosto, não nos é possível compreender tudo, mesmo quando tiramos as roupas.

Ao entardecer, saímos. A poderosa pata, azul escura, da meia ilha jaz, expelida sobre o mar. Embrenhamo-nos na multidão, somos empurrados amigavelmente, suaves controlos, todos falam, fervorosos, na língua estranha. “ um homem não é uma ilha.“ Por meio deles fortalecemo-nos, mas também por meio de nós mesmos. Por meio daquilo que existe em nós e que os outros não conseguem ver. Aquela coisa que só se consegue encontrar a ela própria. O paradoxo interior, a flor da garagem, a válvula contra a boa escuridão.

Uma bebida que borbulha nos copos vazios. Um altifalante que propaga o silêncio.

Um atalho que, por detrás de cada passo, cresce e cresce. Um livro que só no escuro se consegue ler.

AMC disse...

Nunca li, Manel. Um falha imperdoável...
FJ, O p.c. está irritantemente por todo o lado.
Obrigado pelos poemas, caro Luís.