sábado, 15 de julho de 2006

Teorias e os vários cães

O. HenryPor diversas vezes insurgi-me neste blogue contra a supostamente inevitável política dos rótulos, como se o comportamento humano seguisse uma linearidade mensurável ou, declarando a sua incontestável impossibilidade, se pudesse representar por uma nuvem de pontos reveladores de uma tendência sujeitável a um processo regressivo, com resultados estatisticamente significativos e uma curta margem de erro.
Não me refiro ao acto de questionar outrem sobre determinada cor, crença ou tendência. Refiro-me, isso sim, à perigosa presunção, transformada pela febre rotuladora, sobre o carácter de alguém que nem sequer conhecemos ou que nem sequer demos a devida oportunidade para conhecer. Rotulamos, abjuramos, enlevamos… engavetamos os demais pela palavra professada, pelo gesto meramente circunstancial, pelo sentimento libertado quando as amarras atadas pelo nosso polícia interior não são suficientemente sólidas para o deter.
São os perigosos silogismos que não obstamos a adoptar como máximas valorativas de um ser humano que connosco partilha um mesmo espaço.
Se demonstro as minhas preocupações sociais, sou de esquerda. Se professo a livre circulação de capitais e a intervenção mínima do Estado na economia, sou de direita. Se me manifesto contra a lei que penaliza a interrupção voluntária da gravidez até às doze semanas, sou de esquerda. Se considero inconcebível a adopção de crianças por casais homossexuais, sou de direita.
E poderia continuar, rumando pelo mesmo trilho rotulador, procedendo apenas a uma mera substituição dos atributos: ateu, católico, muçulmano, etc.; hetero, homo ou bissexual;...

A esses rotuladores recomendo a leitura de um conto de um tal William Sidney Porter – que se dava a conhecer por Oliver Henry, ou preferencialmente por O. Henry –, chamado “A teoria e o cão”.

Nota: no Data aparecerá em breve uma adaptação pífia para os dias de hoje do conto de O. Henry supramencionado. Será um pseudoconto redigido por este escriba que mantém estes blogues.

3 comentários:

pvnam disse...

[mini-spam]

Contra o Fundamentalismo RACISTA
Contra o Fundamentalismo ANTI- RACISTA

SEPARATISMO NA EUROPA


--- O Multi-Culturalismo Local ( ao nível de cada cidade )... produz... um Mono-Culturalismo Global: TODAS as cidades irão ser dominadas demograficamente pelos Povos( Raças ) de maior rendimento demográfico.
--- Pelo contrário, o Mono-Culturalismo Local ( a existência de Reservas Naturais de Povos Nativos )... produz... um Multi-Culturalismo Global: TODOS os Povos Nativos ( inclusive os de menor rendimento demográfico... ) vão poder ter o SEU espaço no Planeta.


-- O Movimento Tolerante Pró-Diversidade reivindica a DIVISÃO dos Países em dois espaços:
---> 1) um ( 50% ) de Competição Global;
( nota: neste espaço os adeptos da Competição Global [e da Mestiçagem] concretizam o Direito de ter o seu espaço no Planeta... );
---> 2) outro ( 50% ) de Reserva Natural;
( nota: neste espaço aqueles Nativos - que pretendem estar no Planeta, com CORAGEM e DETERMINAÇÃO, a Lutar pela Sobrevivência da sua Identidade - concretizam o Direito de ter o SEU espaço no Planeta )
[ ver: SEPARATISMO-50 ]

-> Nota 1: Este Movimento não é Fundamentalista. Assim sendo, devem ser considerados como Nativos todas as pessoas com, pelo menos, x % de GENES TÍPICOS NATIVOS... (nota: x% -> a definir...)
-> Nota 2: O Período de Transição de Divisão [nos Países aderentes ao SEPARATISMO] deverá ser de VÁRIAS Décadas...


ADENDA:
---1--->>> Existem Povos de Boa Vontade --> estes Povos não têm quaisquer problemas em reconhecer que devem existir (no Planeta) Reservas Naturais de Povos Nativos.
---2--->>> Os INTOLERANTES, para a existência de Reservas Naturais de Povos Nativos, são:
-a)-> Os Predadores Insaciáveis -->> como ambicionam Ocupar e Dominar mais e mais novos territórios... consequentemente... pretendem que o ‘caminho esteja livre’... [Exemplos: Os Africanos, os Mestiços, os Árabes,... --->>> nota: existem excepções à regra -> pessoas de Boa Vontade]
-b)-> Os Capitalistas Selvagens -->> como estão interessados em que se proceda à SUBSTITUIÇÃO POPULACIONAL dos autóctones... por... Povos(Raças) economicamente mais rentáveis...
-c)-> A Parasitagem Branca (a Maioria dos europeus...) -->> como pretendem curtir a existência de alguém que pague as Pensões de Reforma [apesar de... nem sequer constituírem uma Sociedade aonde se procede à Renovação Demográfica!]... e ao mesmo tempo... pretendem que a Ocupação da Europa por outros Povos( Raças ) seja considerada um 'Processo Absolutamente Natural'!...

Pedro Correia disse...

Gostei... e vou citar. Abraço

amc disse...

Obrigado, Pedro.
Um abraço