quinta-feira, 6 de setembro de 2007

Só mais um esforço, Ian

Ian McEwan
Acaba de ser anunciada a lista de finalistas do mais prestigiado prémio literário a galardoar uma obra de ficção em terras de Sua Majestade mais a Irlanda.
Falo, claro, do Man Booker Prize for Fiction.

O favorito para 2007 mantém-se na corrida: Ian McEwan com o seu arrasador Na Praia de Chesil (On Chesil Beach), romance que foi publicado simultaneamente em Portugal (Gradiva) e no Reino Unido (Jonathan Cape).

Eis os seis finalistas – três das obras já se encontram editadas em Portugal:

  • Darkmans, de Nicola Barker;
  • The Gathering, de Anne Enright;
  • O Fundamentalista Relutante, de Mohsin Hamid, Civilização (The Reluctant Fundamentalist);
  • Mr. Pip, de Lloyd Jones, Estampa (Mister Pip);
  • Na Praia de Chesil, de Ian McEwan, Gradiva (On Chesil Beach);
  • Animal’s People, de Indra Sinha.

McEwan venceu, merecidamente, o Booker Prize em 1998 com o seu romance Amesterdão e foi finalista vencido em mais três ocasiões: em 1981 com a obra Estranha Sedução (The Comfort of Strangers, adaptado ao cinema por Harold Pinter num filme de 1990 do realizador norte-americano Paul Schrader); em 1992 com o fabuloso romance Cães Pretos (Black Dogs); e em 2001 com Expiação (Atonement, romance adaptado este ano ao grande ecrã pelo dramaturgo e argumentista luso-britânico Christopher Hampton – responsável, entre outras, pela adaptação ao cinema da obra de Choderlos de Laclos, Ligações Perigosas, magistralmente dirigido por Stephen Frears –, realizado pelo inglês, meu coetâneo, Joe Wright). Expiação é, no meu entender, a obra-prima de McEwan e uma das melhores obras da literatura britânica contemporânea.

Se McEwan vencer o Booker de 2007, juntar-se-á ao grupo restrito de escritores que desde 1969 – data de fundação do prémio – o venceram por duas vezes:

  • J. M. Coetzee, com A Vida e o Tempo de Michael K (Life & Times of Michael K) em 1983 e Desgraça (Disgrace) em 1999;
  • Peter Carey, com Oscar e Lucinda (Oscar and Lucinda) em 1988 e A Verdadeira História de Ned Kelly (True Story of Kelly Gang) em 2001.

4 comentários:

Fernando Dinis disse...

Eu achei o livro, mesmo embora sendo curto, um pouco fastidioso. Um tanto exagerado no detalhe, quando na verdade, a história não o pedia. Nunca tinha lido Ian McEwan, e tenho a certeza de que me iniciei através do livro errado.
A abordagem dissecante do universo interior do casal, apesar de escrita com mestria, não me 'tocou' o necessário para sentir empolgante a epopeia da perda da virgindade. Será mesmo e somente sobre isto de que o livro trata?

Abraço

AMC disse...

Ó Fernando,
Estás mesmo a pedir o exercício de uma 2.ª leitura. Mas se não tiveres pachorra para o reler, lê Amesterdão e Expiação, depois recomendo-te outros de McEwan.
Abraços

J. Manuel Outeiro disse...

Primeiro de todo: parabéns polo blogue, venho acompanhando-o desde há algum tempo e julgo-o um dos melhores que conheço.

Ora, neste texto você decididamente apoia Ian McEwan e o seu último romance. Mas você leu o que já soa como o seu principal concorrente, Mr. Pip?

AMC disse...

Obrigado pelas palavras J. Manuel Outeiro. Na realidade ainda não li o livro do neozelandês Lloyd Jones, Mr. Pip, mas já está em lista de espera.